Culpados e inocentes: todos na mesma sala

28.11.14



Estreou ontem em Portugal, mas eu (tal como muitos outros) já descobri esta série há provavelmente mais de um mês. How to get away with murder, escrita pela já conhecida Shonda Rhimes, junta crime e mistério aos quarenta e cinco minutos de cada vez.



Quem me conhece sabe que eu me agarro facilmente a estas séries que mexem com a psicologia e com a criminologia. - É, é! Se não sabiam, ficam a saber e agora passamos à frente porque não é sobre mim que vou escrever. – O ponto essencial é que esta série é diferente de todas as outras a que assisto (e assisti). Começa precisamente pela trama, tem uma dose considerável de suspense e não é tão previsível quanto seria de esperar. É isso mesmo: não esperem grandes introduções iniciais porque não as há; também não esperem que todas as personagens se envolvam como já é característico em Grey’s Anatomy (a sério que ela conseguiu pôr travão nisso!).

A série não faz uma grande referência à sociedade actual e até considero a realidade da trama bastante direcionada para aquele nicho académico e criminal. Porém, há diversos traços da realidade actual em cada um dos personagens. Desde a vontade veloz em triunfar académica e profissionalmente até à ideia da homossexualidade como ela deve mesmo ser: natural. 

Confesso que gosto de ir descobrindo e desconfiando das coisas enquanto as séries estão a rodar. Gosto de desconfiar da pessoa X e de apontar a Y como culpada e sinto-me uma verdadeira aficionada quando acerto nos detalhes. E esta série é boa nisso mesmo: a desafiar o telespectador. A trama inicial dá tantas voltas nos episódios seguintes que nós chegamos a desconfiar que as folhas da autora se baralharam todas com o vento. Ou que foram à máquina de lavar! 

How to get away with murder não é para quem gosta muito das coisas cor-de-rosa ou para quem não gosta de crime. Esta série é para quem sempre se perguntou como os advogados defendem os culpados com a mesma garra que os defenderiam se eles fossem inocentes. Ou para quem não compreende aquela teoria de que o fim justifica os meios. 

Se ainda não viram, o meu conselho é que vejam os dois primeiros episódios. Depois digam-me se não ficaram ansiosos pelos próximos dois… E pelos outros dois… e até ao final da temporada! 


Desta vez os meus recados passam muito por vos pedir que tentem não ser presos. Com esta onda de justiça democrática, ouçam-me, cuidado com os rebuçados que tiram do esconderijo das vossas mães.



Daniela Carreira Peralta  

Também vais gostar:

2 comentários

  1. Segui o teu conselho!!!
    Fiquei tão viciada que os vi todos numa semana... Já há muito que uma série não provocava isso em mim.
    E, sim, estou ansiosa pela segunda parte da temporada!!!

    Bjs! Bom Natal!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ainda bem que gostas! :) Um beijinho grande e boas festas, Mília! *

      Eliminar

Com tecnologia do Blogger.