Review: Se isto é um homem

27.9.15


Há livros que nos marcam. E depois há livros que nos marcam de todas as formas e feitios! Este foi garantidamente um deles e será um daqueles livros que voltarei a ler daqui a uns tempos. Comecei a lê-lo em 2012 e, na altura, acabei por deixá-lo a um canto por estar ocupada com avaliações da faculdade. Quando me mudei para a Alemanha no início deste ano, decidi que era a altura ideal para o ler na íntegra.

AUTOR: Primo Levi

EDITORA: Dom Quixote
EDIÇÃO/REIMPRESSÃO: 2010
PÁGINAS: 180
ONDE COMPRAR: Aqui. 
A DAN AVALIA: 5 de 5.

“Fui capturado pela Milícia fascista a 13 de Dezembro de 1943” é uma das primeiras afirmações do autor. Simples e directa, esta é uma afirmação que nos deixa a garganta apertada. Que nos relembra do quanto difícil terá sido para este homem dar-se conta de que foi realmente capturado. E escolheu logo o conceito “capturado”. Geralmente, capturados são os animais. Quando falamos de Auschwitz, “capturado” é um conceito adequado; e aconteceu com pessoas. Pessoas que até então eram livres e felizes. Homens de família, mães de filhos e crianças que ainda nem tinham aprendido a sonhar com coisas complicadas. Gente que viveu feliz até ser rotulada com um número; comer uma vez por dia e trabalhar com a tigela e o copo às costas para que não lhos roubassem. Gente que foi feliz.

Primo Levi, um químico italiano de 25 anos conta, na primeira pessoa, as amargas memórias que guarda da II Guerra Mundial e dos estrangeiros que o albergaram em casernas dotadas de poucas condições. Relembra o quanto foi difícil subsistir e o quanto parecia impossível sobreviver. Resistiu até ao fim. Sabe-se lá como e com que forças!, mas viu o fim – ao contrário de tantos outros que desapareceram da terra, deixando apenas os sapatos que contavam histórias esfomeadas e tristes se voz tivessem.

Dizer que Primo Levi se viu livre depois do final da guerra é de uma inocência gigante. E se nunca se ocuparam de pensar neste assunto, é precisamente ao lerem a história deste sobrevivente que percebem o quanto duro foi. Desumano. Infindável. Completamente mórbido. Recordar tudo para conseguir este livro terá sido, com certeza, um mau momento para o autor. Para mim tornou-se também inesquecível. Tornou-se numa das melhores histórias que já li – infelizmente, real. Infelizmente, verídica e de mazelas inquestionáveis.


Também vais gostar:

5 comentários

  1. Despertou-me imensa curiosidade a tua review. Já que ando numa maratona de devorar livros, vou com certeza tentar este!

    THE PINK ELEPHANT SHOE | FACEBOOK |

    ResponderEliminar
  2. Nunca li, mas tenho bastante curiosidade. Talvez um dia destes o ataque! :)

    ResponderEliminar
  3. tenho esse livro na minha lista para ler... agora fiquei ainda mais curiosa!

    ResponderEliminar

Com tecnologia do Blogger.